Edição nº 758 de 20 de Novembro de 2017

Elísio Oliveira, diretor da PSA, falou-nos sobre a rotunda ‘DS – BOCA DE SAPO’, em Mangualde


2016-09-04

Foi inaugurada, neste sábado, dia 3 de setembro, a rotunda DS-Boca de Sapo junto á entrada da fábrica da PSA em Mangualde. Esta rotunda acolhe uma obra de arte, um veículo DS-Boca de Sapo em granito, uma escultura em tamanho real, numa iniciativa promovida pela PSA de Mangualde.

A este propósito Dão e Demo entrevistou o grande impulsionador desta obra, Elísio Oliveira, licenciado em economia e diretor económico-financeiro e relações institucionais da PSA de Mangualde, uma empresa de grande relevo regional e nacional e marcante no concelho de Mangualde.

Recorde-se que o Centro de Produção de Mangualde do Grupo PSA assinalou no dia 22 de setembro de 2012 cinquenta anos de história e 1.000.000 de veículos produzidos nesta fábrica.

 

Dão e Demo: Sem rotunda não haveria aqui esta obra de arte?

Elísio Oliveira: Sem dúvida. O primeiro passo, que foi uma luta de vários anos, foi instalar uma rotunda no acesso  à fábrica da PSA,  em vez dos semáforos visando reduzir a sinistralidade, melhorar a fluidez e a flexibilidade logística e dar ao acesso à fábrica a dignidade que esta merece.

Importa referir que a realização desta rotunda teve por base um protocolo entre as Infra-estruturas de Portugal (IP), a Câmara Municipal de Mangualde (CMM) e a PSA.

 

“O DS é considerado um dos veículos mais bonitos de toda a história do automóvel.”

 

DD: Que significado se pode atribuir à escolha do DS-Boca de Sapo?

EO: O DS é considerado um dos veículos mais bonitos de toda a história do automóvel. Um veículo muito inovador na sua época e que foi produzido em Mangualde durante 10 anos, tendo sido produzidos 2722 unidades. Temos assim o veículo de excelência ideal para homenagear a história desta fábrica e a excelência dos trabalhadores que ao longo de mais de 5 décadas têm mantido viva esta empresa.

 

DD: Quem realizou esta obra de arte e quanto tempo demorou?

EO: A obra foi realizada pela empresa Granitos Pimentel & Tavares de Mangualde, que levou vantagem sobre outros concorrentes. Durou 8 meses, arrancou em Dezembro de 2015 e terminou em Julho de 2016. O veículo DS tinha que ser feito em granito preto, homogéneo e denso para exprimir todo o potencial deste veículo, a sua nobreza. Ora este granito, rijo como o ferro, dificultou e tornou lento o trabalho. Mas não podíamos abdicar deste material, porque sabíamos que só com ele o efeito seria conseguido.

 

“Esta escultura foi financiada por apoios 100% privados.”

 

DD: Quem financiou esta obra de arte?

EO: A produção desta escultura foi, gratamente, financiada pelas seguintes entidades: PSA  Mangualde, PSA Lisboa, GEFCO, Antolin e Granitos Pimentel &Tavares. Foi importante conseguir estes apoios, 100% privados, sem os quais não era possível realizar a obra.

 

DD: Que intervenção teve a CMM?

EO: A CMM teve desde logo, como já referi, uma participação no protocolo de co-financiamento da rotunda conjuntamente com as IP e a PSA e teve e terá ainda um papel adicional no arranjo final da rotunda.

 

DD: Que reações têm registado sobre esta obra?

EO: Tem tido um sucesso extraordinário, quer dentro do nosso centro de produção, quer nos mangualdenses em geral e também nas reacções diárias das largas centenas de automobilistas nacionais e estrangeiros que diariamente passam pela rotunda e não resistem em fotografar e filmar o veículo DS-Boca de Sapo. Temos, também, registado reacções de espanto e admiração dos nossos colegas de Espanha e França.

 

“Este carro é feito de pedra, mas é também feito de simbolismo. Incarna o carácter dos homens e das mulheres...”

 

DD: Que significado pode ser atribuído à colocação do veículo ali naquela rotunda?

EO: O DS não está ali apenas para decorar a rotunda, nem podia estar num lugar qualquer. Naquele lugar está implantado o maior investimento de toda a história de Mangualde. Só nos próximos dois anos serão investidos cerca de 50 milhões de euros. Ali está o local mais exportador da região e um dos 10 maiores de Portugal, ali está o sítio mais empregador. Ali se desenvolve a maior e mais complexa organização do concelho e a mais exposta à concorrência internacional. Só esta dimensão podia dar palco a uma estátua desta natureza.

Este carro é feito de pedra, mas é também feito de simbolismo. Incarna o carácter dos homens e das mulheres de têmpera rija que ao longo de mais de meio século, nesta nesga de terra, fazem denodadamente os carros com uma qualidade e competitividade do melhor nível mundial!  

Aquele carro, belo, clássico, mítico e intemporal, transporta dentro daquela pedra negra, rija, férrea, a alma grande daqueles que somaram futuro a esta fábrica ao longo dos anos!

 

“Nesta obra a boa tradição industrial de Mangualde está ali toda.”

 

DD: Em que medida beneficia Mangualde?

EO: Aquele carro é um selo de garantia das potencialidades industriais do nosso concelho. Nesta obra a boa tradição industrial de Mangualde está ali toda. A qualidade de trabalho dos mangualdenses, a sua capacidade de adaptação a produções sofisticadas e a força exportadora desta economia. É claramente mais um elemento de notoriedade para o nosso território. O potencial de marketing territorial está lá e está já a funcionar, basta ver as redes sociais. É, enfim, um elemento que ajuda a qualificar e a diferenciar um território.

DD: Muito obrigado.


Partilhe:

© 2017 Dão e Demo - Todos os direitos reservados