Edição nº 703 de 26 de Setembro de 2017

Site Mais Futebol entrevistou Rogério Arrais sobre nova época, agora no campeonato de Portugal


2017-08-19

O site Mais Futebol através do jornalista David Marques publicou esta sexta-feira, 18 de agosto, um artigo em que Rogério Arrais fala da nova época de futebol do Clube Recreativo de Ferreira de Aves agora a disputar em 2017/2018 o Campeonato de Portugal depois da subida na época passada.

Com o título “Campeonato de Portugal: e depois da subida?” o jornalista coloca algumas questões, sobre investimentos no campo de jogos e sobre o orçamento, a Rogério Arrais, presidente do CRFA há 17 anos.

Recorde-se que a estreia do CRFA neste campeonato acontecerá este domingo, dia 20 de agosto, em Vildemoinhos, contra o Lusitano Futebol Clube às 17 horas.

Eis o teor do artigo no que se refere ao Clube Recreativo de Ferreira de Aves:

«(…) À hora da chamada do Maisfutebol, Rogério Arrais, presidente do Ferreira de Aves há 17 anos, faz uma pausa no apoio às obras do campo de futebol, que decorrem debaixo de um calor abrasador. É uma corrida contra o tempo a poucos dias do arranque do Campeonato de Portugal, onde a equipa do concelho de Sátão, distrito de Viseu, vai estar pela primeira vez.

A subida histórica trouxe um sentimento inédito de felicidade, mas também novas exigências, como a revisão dos níveis de segurança, o alargamento obrigatório do relvado e a construção de uma bancada. Só em obras serão gastos pelo menos 50 mil euros.

Rogério Arrais faz as contas e estima que o orçamento para o futebol do Ferreira de Aves (excluindo as obras) suba dos 70 para os 120 mil euros na época que está prestes a começar.

Salários, custos de inscrição, taxas e viagens. Tudo isto vai pesar mais a partir de agora aos clubes recém-promovidos aos nacionais.

«Se fosse para andar a levar pancada de todos acabávamos logo com isto. Conseguimos acordar um subsídio que é razoável», diz o presidente do Ferreira de Aves, que vai competir na Série C.»

«São despesas muito grandes. Este ano gastámos 5 mil e tal euros para inscrever a equipa. E só os 21 jogadores, já nem falo da equipa técnica e dos diretores. No ano passado andava pelos 2 mil e tal», observa Rogério Arrais.

O dirigente fala ainda das taxas cobradas por cada jogo realizado dentro de portas. «Temos de pagar o IVA sobre os bilhetes e um valor para a FPF, para cobrir despesas com a arbitragem [650 euros] e a organização do jogo [210€]. São perto de 900 euros e no ano passado eram 250. Não tem sido fácil, mas vamos conseguindo, mais pontapé menos pontapé.»

O desafio passa também por encontrar quem esteja disponível para ajudar a dar os tais pontapés. No caso do Ferreira de Aves, os apoios também cresceram. Os patrocinadores aumentaram os apoios, uma marca disponibilizou-se para cobrir os custos dos equipamentos de jogo e de treino e a autarquia subiu em mais de 30 mil euros (rondava os 50 mil) o montante do subsídio anual pago à equipa. «Tinha de ser assim. Ou o município queria ter uma equipa competitiva, ou se fosse para andar a levar pancada de todos acabávamos logo com isto. Conseguimos acordar um subsídio que é razoável e que vai dar-nos uma grande ajuda», conta Rogério Arrais.»

Créditos do texto: Mais Futebol | Foto: Facebook do CRFA


Partilhe:

© 2017 Dão e Demo - Todos os direitos reservados